Uma publicação escobiosa

Algo há que copiosamente flui da face de todo o bicho humano que experimenta a sensação do acto de revolução dos pedais. Algo acolhedor e confortante que inunda a alma.

O descartar de fatos, gravatas, uniformes da labuta quotidiana.

O dissipar de hierarquias, títulos ou qualificações, unidos sob uma mesma bandeira de força motriz.

O apelo, por vezes gélido, por vezes escaldante, da inesgotável junção de licra e borracha vulcanizada. E carbono. E lentes polarizadas que não escondem sorrisos ou dores nem por ínfimos segundos.

Fibras e músculos que torcem e distrocem, catadupas de súor libertadas enquanto nos empurramos para o cume, corações espremidos contra o esternocleidomastóideu.

Estômagos e esfíncteres contraídos enquanto se desce a pouco recomendáveis quilómetros por hora entre paus e pedras e ravinas que pacientemente desbravam todo o boculismo que anseia por ser abraçado.

Ou gentilmente pairando.

Conectados através do movimento cinético de corpos e Bicicletas.

Enquanto cada um gladia, explora e partilha as privações que todos acaba por unir.

Pedalar na direcção de lado nenhum, peito e pernas na iminente implosão.

Mais depressa.

A sensação de voar.

As sisudas faces aprisionadas no interior de toneladas de chapa.

Ziguezague.

Desfocadas, são deixadas para trás com seus esgares de inveja enquanto sonham com a libertação de seu marasmo enlatado.

 

Pôrra, que saudades.

 

Abraços (à segura distância higiénica) velocipédicos,

Velopata

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s