A influência do Influenza

- Ó Velopata! Estás bem? Faz dias e dias que nada publicas neste nosso acarinhado espaço de referência velointernética, não enches nossos feeds strávicos com os teus commutes e nem um bom fim de ano desejastesss aos teus seguidores... Que se passa? Esta foi a pergunta que vós, queridos milhares de milhões de seguidores, não …

Continue lendo A influência do Influenza

Porque odeia o enlatado – parte I

Recentemente, culminou uma mini-série de seis documentários no Cánau Dizcóveri (que lido em português correcto, ao contrário do estranho sotaque televisivo, será algo como Canal Discovery), que muito aprouve ao casal Velopata (à hora de emissão, o Velopatazinho já simulava rolos de treino no Vale dos Lençóis, ainda assim é firme convicção velopática que chegando …

Continue lendo Porque odeia o enlatado – parte I

Divisão Velopata – Se queres ver o Pelotão morto, dá-lhe carochas em Agosto

- NEM PENSES! A Srª Velopata berrava na direcção do Velopata em modo full Caps Lock e na FTPmax. - Nem penses que vou enfiar-me outra vez nas filas do supermercado porque tu estás convencido que a cerveja vai acabar! - continuou. - Mas não viste as notícias? Segunda-feira começa novamente a greve dos motoristas …

Continue lendo Divisão Velopata – Se queres ver o Pelotão morto, dá-lhe carochas em Agosto

Divisão Velopata – Carocha de Julho no alcatrão não faz barulho

Bom dia, tarde ou noite, de acordo com a hora a que o mui querido leitor se está a sentar no trono com o telefone esperto na mão, ávido de uma publicação velopática dedicada à nata da nata, a crème de la crème da Velocipedia strávica que compõe esse grandioso clube, a Divisão Velopata. Deveras atrasado, o …

Continue lendo Divisão Velopata – Carocha de Julho no alcatrão não faz barulho

Uma Escapadela Altimétrica – finalmente, o Capítulo Final

- Estás bem? - Não. Ele sente-se que nem um esfregão da louça esquecido ao Sol durante vários dias. -  Pois, costumas subir melhor... - Cada centímetro que ele subiu foi como tentar espremer um litro de água desse esfregão da louça ressequido.   No cume do topo mais em alto de Portugal Continental, a mítica Torre, …

Continue lendo Uma Escapadela Altimétrica – finalmente, o Capítulo Final