Uma Escapadela Altimétrica – parte III

- Está sim? - inquiriu AAA. Na esplanada em Nisa, o dueto percebeu o que há muito se encontrava escrito em garrafais letras brancas contrastando sobre o negro alcatrão - estavam atrasados. Para lá de. O check-in acordado com o hotel seria até às vinte e duas horas da noite de vinte e nove de …

Continue lendo Uma Escapadela Altimétrica – parte III

A tomada da Mítica EN2 – parte III

Tendes a certeza que aquilo são relâmpagos? O Velopata questionava o Agente da Autoridade Anónimo numa extenuante luta entre conseguir injectar golfadas de precioso oxigénio nos pulmões tentando não bolsar quiçá até regurgitar as anteriores opções alimentares proporcionadas pela visita ao McDonald´s biseuense forrada pelas sobremesas gentilmente fornecidas por Professor Carochas, no decurso de uma excruciante subida para Fail, incontornável …

Continue lendo A tomada da Mítica EN2 – parte III

A tomada da Mítica EN2 – parte II

Se algum dos mui habituais seguidores deste espaço velocibernético visse o Velopata, enquanto ele mais ou menos se sentia a rebolar pelos corredores do humilde estabelecimento de pernoita com uma só estrela, felizmente Michelin, jamais alguém acarditaria que ele era efectivamente o Velopata, esse mundialmente famoso Ciclista de compleição somali pontuado com anorexia nervosa, escassos minutos em antes de se lançar …

Continue lendo A tomada da Mítica EN2 – parte II

A tomada da Mítica EN2 – parte I

O Velopata acordou em Chaves com aquela sensação de garganta escalafrada e aeropenca entupida, fruto das alternantes temperaturas de final de estação veraneante que se fizeram sentir pelo reino dos algarves e arredores, ao contrário dos seus gloriosos tempos de juventude onde acordar nestes trânmites era sintomático de uma véspera de copofonia e fumanço em …

Continue lendo A tomada da Mítica EN2 – parte I

Bambis, Caracóis e Crocodilos – o épico (e gelado), final de uma aventura ao Alqueva

Das várias aventuras que o Velopata já fez, um pormenor ocorre que merece ser destacado. A verdade é que até se chegar ao destino a viagem é sempre feita a ritmo confortável e a cavaqueira vai fluindo. Passado esse objectivo, neste caso o Alqueva, rapidamente o sentimento de ciclista ressabiado toma conta da malta e não …

Continue lendo Bambis, Caracóis e Crocodilos – o épico (e gelado), final de uma aventura ao Alqueva

Bambis, Caracóis e Crocodilos – uma aventura ao Alqueva, Parte I

"É já alêm." A.A. informando a distância que falta percorrer até determinado ponto. (A.A. significa Alentejano Anónimo) "Eu sou um gajo optimista." - afirmava o Falso Lento enquanto bebericava uma chávena de café na primeira paragem do dia em Cortelha, ainda nem 30 quilómetros realizados dos 430 planeados. "Tu vais além do optimismo." - rematou o Velopata. "Como …

Continue lendo Bambis, Caracóis e Crocodilos – uma aventura ao Alqueva, Parte I