A tomada da Mítica EN2 – parte II

Se algum dos mui habituais seguidores deste espaço velocibernético visse o Velopata, enquanto ele mais ou menos se sentia a rebolar pelos corredores do humilde estabelecimento de pernoita com uma só estrela, felizmente Michelin, jamais alguém acarditaria que ele era efectivamente o Velopata, esse mundialmente famoso Ciclista de compleição somali pontuado com anorexia nervosa, escassos minutos em antes de se lançar …

Continue lendo A tomada da Mítica EN2 – parte II

Uma publicação sobre uma não-publicação

Não é desespero. Também não é nervoso. Seja ele miudinho ou graúdo. Será ansiedade? Nos dias que antecedem um Grande Objectivo, uma Grande Volta, a incessante busca do nirvana velocipédico, há algo que o Velopata faz mal. Dormir. O sono recuperador. Atormentado por todos os receios, medos, cagufas e todos os pesadelos que só o cérebro …

Continue lendo Uma publicação sobre uma não-publicação

Carta aberta ao M.A.I.

O anúncio foi feito com toda a pompa e circunstância a que semelhante decisão governativa obrigava; tendo em conta o número de acidentes graves, acidentes menos graves, colisões, cacetadas, porradas, atropelamentos, caos generalizado e evidências de uma mortandade geral nas estradas portuguesas, o M.A.I. (Ministério da Administração Interna), apresentou uma nova proposta de lei que …

Continue lendo Carta aberta ao M.A.I.

O primeiro passeio… Que era uma corrida… Que era um passeio… Que afinal era uma corrida!

Corria o ano de Sua Santidade Joaquim Agostinho de 2013, quando o anúncio de um passeio velocipédico se destacou no feed facebookiano do ainda então velocipédicamente imberbe e maçarico heteromónimocoiso do Velopata. Organizado pela associação Rodactiva, sediada em Castro Marim, essa bela localidade algarvia que o Velopata já conhecia das suas visitas à então desconhecida mas actualmente insuportavelmente atulhada …

Continue lendo O primeiro passeio… Que era uma corrida… Que era um passeio… Que afinal era uma corrida!