Divisão Velopata – A carocha, Maio a dá e Maio a leva

Parcas letras e palavras que se materializam na tela branca do monitor que logo de seguida são obliteradas para todo o sempre. Não servem, nunca estão boas o suficiente. Um cérebro que teima em não desenvolver, como um cubo de rodas Shimano R500 que, para além de extremamente fraquinhas, já calcorrearam muitos quilómetros. Os esguios …

Continue lendo Divisão Velopata – A carocha, Maio a dá e Maio a leva

Uma publicação sobre uma não-publicação

Não é desespero. Também não é nervoso. Seja ele miudinho ou graúdo. Será ansiedade? Nos dias que antecedem um Grande Objectivo, uma Grande Volta, a incessante busca do nirvana velocipédico, há algo que o Velopata faz mal. Dormir. O sono recuperador. Atormentado por todos os receios, medos, cagufas e todos os pesadelos que só o cérebro …

Continue lendo Uma publicação sobre uma não-publicação

Arades e Sobreires – um longo sábado de treino

O Velopata acordou com aquela sensação de vazio cerebral, bafo capaz de trucidar o mais formoso dos malmequeres e a barba molhada, fruto da baba que muito provavelmente escorria devido ao sonho de uma pedalada montado numa lindíssima Cannondale Synapse toda montada em Ultegra. Verdade seja escrita, aquilo não foi bem acordar. Assemelhou-se mais a …

Continue lendo Arades e Sobreires – um longo sábado de treino

Os Dez Mandamentos Velocipédicos – versão urbana

Foi encontrado morto em sua casa. A Jardim da Escócia (Scotland Yard, em cámone), tomou conta do ocorrido, registando o óbito a 5 de Novembro do Ano de Sua Ainda-Desconhecida e Futura Santidade Joaquim Agostinho de 1922. Lorde Carvanon, um reconhecido antropofilíaco obstinado com relíquias egípcias, batia a bota. Atónitos com a macabra cena que presenciaram ao …

Continue lendo Os Dez Mandamentos Velocipédicos – versão urbana