Uma publicação sobre uma não-publicação

Não é desespero.

Também não é nervoso.

Seja ele miudinho ou graúdo.

Será ansiedade?

Nos dias que antecedem um Grande Objectivo, uma Grande Volta, a incessante busca do nirvana velocipédico, há algo que o Velopata faz mal.

Dormir.

O sono recuperador.

Atormentado por todos os receios, medos, cagufas e todos os pesadelos que só o cérebro mal tratado por muitos de anos de vida ébria misturada com películas de terror série Z, consegue conjurar.

Se um buraco te atira ao alcatrão no breu das onze da noite perto de Castro Verde?

Se um Javali ofendido e desaustinado decide que a hora ideal para um passeio à uma hora da madrugada de Domingo é na Estrada Nacional 2, nos baldios arredores de Ferreira do Alentejo?

Se já perto de Montemor-o-Novo, seco de tanto pedalar, sem um único abençoado tasco aberto pelas quatro horas da madrugada, ele se vê forçado a colocar o sapato de encaixe no chão e ébrio de precioso H2O, lança-se por entre silvas e juncos na demanda de um charco com água que até possa ser potável, apenas para encontrar um charco onde reside um faminto crocodilo?

Se pelas oito horas da manhã de Domingo, dia três de Junho deste ano de Nosso Senhor Joaquim Agostinho de dois mil e dezoito, um selvagem qualquer munido de uma lata turbinada de inúmeros gin com legumes decide embirrar com um Velopata cuja mente apenas pensa em atravessar o Rio Tejo em Vila Franca de Xira?

“Ó Velopata, já percebemos que vais fazer aí qualquer coisa este próximo fim de semana de dois e três de Junho, desembucha lá!” – notarão os mui assertivos leitores.

E com razão.

O problema é que ele não quer desembuchar.

Ele não pode desembuchar.

Depois do ocorrido em duas sucessivas edições da Odisseia Algarvia, ele não pode dar-se ao luxo de errar, partilhando linhas que expliquem detalhadamente o que ele se propõe a fazer.

Nunca se sabe quem pode estar a ler.

Quem não garante ao Velopata que a Bruxa da Figueira nos entretantos não foi despejada da sua cave T0 num devoluto prédio nos baldios arredores de Figueira, para alugar a essa maralha do érebiénebi por um valor de 1050 eirios a noite, sendo forçada a mudar-se e vivendo agora numa habitação mais ao encontro de suas posses, uma modesta cave T0 num devoluto prédio nos baldios arredores de Ervidel, onde paga apenas a quantia de… Aí uns 700 eirios. Ressabiada com a madrasta vida, decide vir para Estrada Nacional 2 azucrinar e amaldiçoar a vida dos que lá passam e adivinhem quem vai a passar no preciso momento?

Pois.

As combinações multiplicam-se pelo criador de rotas strávico, apenas para prever sempre a mesma quantia.

709,4 quilómetros.

7093 metros de acumulado.

27 horas, 18 minutos e 14 segundos de pedalada – é a previsão strávica.

Que não tem em conta as médias obtidas recentemente mas juntando-lhe o peso extra que uma Cicloperegrinação deste calibre acarreta sobre a Estrela Vermelha.

Cabos, bichas e fitas novas.

Pneuzinhos Vittoria Rubino Pro 25″ que ainda cheiram a borracha.

Lavadinha e lubrificada, aquele erotismo sexy das bicicletas de estrada bonitas como a Estrela Vermelha é.

Partida de Faro pelas 18 horas de Sábado, dia 2 de Junho de 2018.

O destino: A Cidade Santa.

Visitar o local de repouso da última encarnação terrena conhecida de Sua Majestade.

Conhecer o seu monumento.

Selfies em monte.

O que o Velopata vai fazer é tirar selfies em monte lá pelos estrangeiros do norte do país, prometendo um fim de semana onde o Instagram velopático será inundado por conteúdos exclusivos desta alarvidade velopatóide.

Que só quem anda aqui realmente a dormir ou se esbardalhou do topo de sua nobre bicicleta e esteve em coma desde 9 de Maio de 1984, data manchada pela herança canídea, não percebe onde vai o Velopata.

Yo no creo en brujaspero que las haylas hay

Por isso, o Velopata mais não escreve.

Se quiserem aparecer para dar ao pedal durante um bocado, é só contactar o Velopata pelo canal que mais convier ao mui querido leitor adepto da velocipedia.

E agora com licença que o Velopata vai tentar dormir, aproveitando que o Velopatazinho também já dorme.

 

Estejai atentos.

 

Merda.

 

Ele não consegue dormir.

Faltam T minus 2 dias para a Cicloperegrinação.

Que é mais ou menos isto.

publicacao2

Ir e regressar à Cidade Santa de uma só assentada.

Posto isto, vocês não leram nada.

Esta é uma publicação sobre uma não-publicação.

Que é para não agoirar. Ou agourar. Coiso.

 

Abraços velocipédicos,

Velopata

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s