TCR

“Aí está, já arrancaram!” – exclamou um Velopata extasiado enquanto observava o monitor do seu pc.

“Quem é que já arrancou? Qu´é isso?” – questionou a Srª Velopata, observando também ela o monitor do pc mas não entendendo nem partilhando o claro entusiasmo do Velopata.

“Começou a Transcontinental Race! Arrancaram agora de Geraardsbergen!”

“Carlsberg o quê? Não vejo nada, só vejo aí um mapa e uns pontinhos com números.” – retorquiu uma Srª Velopata, não entendendo patavina do que estava à sua frente.

“São os dots, cada um destes pontinhos corresponde a um ciclista.”

“A sério que já chegou a esse ponto? Já não chegavam as intermináveis horas de seca com as coisas das bicicletas na televisão, agora já andas a seguir pontinhos num mapa no computador? Que parvoíce é essa?”

“Não digas isso até porque vai na volta… Para o ano que vem, por esta hora, estás tu aqui a ver um pontinho no ecrã e a roer o gel das unhas pois é o teu mais-que-tudo que vai lá estar na linha de partida.”

“Tu deves ser é parvo; primeiro, eu não uso unhas de gel. Segundo, vai mas é tirando o cavalinho da chuva que tu tens um filho pequeno para criar, deixa-te de ideias estúpidas.”

“Bicicletinha.”

“Hã?”

“O que querias dizer é que ele tem de ir tirando a bicicletinha da chuva.”

“Uéééééé. Uééééééé!” – o Velopatazinho percebeu a tirania que exalava pela atmosfera através da voz da sua progenitora, irrompendo no seu choro característico de sirene avariada.

“Vês? Até o Velopatazinho protesta por estares a tratar assim o seu progenitor! Pelo menos nesta família ele é o único a querer ver o pai atingir a glória velocipédica!” – atacou o Velopata em cadência.

“O que ele quer é que o pai deixe de ser cromo e lhe vá mas é mudar a fralda.”

 

A verdade é que a Srª Velopata, juntamente com muitos outros companheiros de pedal do Velopata, não entendem este sentimento que assola a alma velopatóide.

O chamamento do alcatrão. O horizonte longínquo a perder de vista. Pedalar dias a fio, atingir o limiar das capacidades mortais e humanamente possíveis para depois… Arranjar forças sabe-se lá onde e continuar. Uma aventura que podia muito bem transmorfar-se em livro, capa dura e tudo.

Para quem desconhece, a Transcontinental Race é considerada uma das mais duras provas velocipédicas do Universo; esqueçam Voltas a França com os seus medidores de potência e cadência e o que mais as marcas de bugigangas tecnológicas inventam, licras vistosas, bicicletas que custam várias idas ao multibanco para alevantar dinheiro com recurso a botijas de gás, barras e géis energéticos, transmissões televisivas, substâncias dopantes de nomes quase impronunciáveis, motores escondidos. A TCR (sigla pela qual a prova é conhecida entre os aficionados), é a mais pura demonstração de perna rija que homens e mulheres adeptos das duas rodas não motorizadas almejam, sendo também a experiência mais próxima que um ciclista pode ter do que seriam as Grandes Voltas de outrora, tempos em que a roda ainda era quadrada e uma só etapa facilmente atingia a marca dos 500 ou mais quilómetros.

E como o Velopata deseja tomar parte nesta alucinante prova, onde os participantes se lançam numa longa jornada de aproximadamente 4000 quilómetros (a edição actual fica-se nos 3650 quilómetros, mais ou menos uns trocos), sem nenhum tipo de suporte ou apoio, devendo o atleta escolher minuciosamente o seu percurso entre o arranque na mítica cidade/vila/aldeia/coiso de Geraardsbergen, no famigerado e bem conhecido das hostes velocipédicas Muur de Huy, famoso pela sua sempre temível presença na Volta a Flandres, e a cidade/vila/aldeia/coiso de Meteora na Grécia, alternativa mais que válida à meta de edições anteriores, algures na Turquia, fruto da instabilidade que se vive nessa região.

Apesar de depender do próprio atleta a escolha do percurso entre estes dois distantes pontos, Gerardscoiso e Meteora, a organização apresenta a obrigatoriedade de passar nos 4 postos de controlo (CP, na sigla inglesa), para picar o ponto.

Claro que a organização não deixa a pedalada por menos e os 4 postos de controlo localizam-se sempre em pontos de… flagelação tibial extrema. Monte Grappa (1775 metros de altitude), High Tatras (2655 metros de altitude), e Transfagarasan (2042 metros de altitude), são só alguns dos itens no cardápio desta edição de 2017, a 5ª desde o início desta tão nova, mas já a um nível lendário, prova.

Comer, dormir e dar banho tornam-se meros obstáculos, esquecendo-se as regras básicas da saúde; comem-se calorias à bruta, dorme-se o mínimo indispensável e onde calha, e quanto à bela da banhoca… Enfim, relatos há de atletas que nem a própria fragância corporal aguentam quando finalmente encontram um lago ou riacho, outros há que acabam por fazer check-in numa qualquer unidade hoteleira baratucha à beira da estrada para umas horas de descanso mais que merecido e um valente banho que até a alma limpa.

Em suma, o Velopata não vê a hora de se lançar numa aventura destas.

Até porque muitos saberão; este marafado espaço velointernético nasceu com o propósito de ajudar o Velopata a realizar este sonho que é passar as passinhas da Europa.

Secretamente, ele já se encontra a preparar a sua participação. Adquiriu ou está para adquirir, utensílios velocipédicos indispensáveis a tal provação. Já contabiliza muita quilometragem nas pernas e prepara várias aventuras até ao final do ano. Só restam dúvidas quanto ao ano em que tal vai acontecer e se, até lá, a prova se mantém, uma vez que o seu principal mentor e organizador, Mike Hall, foi assassinado por um enlatado no início do ano, durante a Indian Pacific Wheel Race, uma corrida semelhante à TCR mas que decorre naquele continente onde todos os animais parecem engendrados para arrancar pedaços ao ser humano. Na Austrália, portantos. 

A edição de 2017 da TCR foi salva e colocada em andamento por admiradores e amigos próximos de Mike Hall, cuja morte abalou bastante o Velopata pois era dos poucos seres humanos com quem ele desejava travar conhecimento e, fundamentalmente, uma inspiração.

Como o ditado popular afirma que uma imagem vale mais que mil palavras, fiquem pois com uma seleção de fotos que o Velopata escolheu, de entre as muitas que podem consultar no facebook oficial da prova, que mostram a dureza mas também a magnificiência pela qual todos os 250 atletas selecionados passam aquando da Transcontinental Race.

 

meeting1
As tropas reúnem-se em Gerardscoiso. A atmosfera deve ser bem nervosa, para além do cheiro a creme chamois.
mur
Saída dos 250 super-humanos no Muur de Huy. Arrancar uma prova destas em pavê com inclinação absurda é por si só um bom presságio para o que se segue.
tunnel2
Fotos bonitas. Esta publicação velopática nunca conseguirá fazer jus a tanta magnificiência que os atletas atravessam.
tunnel1
Túneis nas montanhas. Segundo consta, são um perigo durante a pedalada noturna.
mountainroad3
É impossível ver esta imagem e não ter vontade de ir ali sofrer um “bocadinho”.
mountainroad2
O Velopata rói-se de inveja.
mountainroad1
Se as subidas levam o corpo ao limite, também as descidas testam todas as capacidades dos atletas.
subida
Chegado ao limite das forças está na hora de… Arranjar mais forças.
ianto
Não é um apenas um desafio físico, ficam marcas que muito tempo levam a desaparecer.
chuva
Parece que o São Pedro, ou seja lá quem fôr o padroeiro responsável pelo clima da Europa Central, também gosta de pregar as suas partidas aos ciclistas.
banhoca
Qualquer curso de água doce serve para a bela da banhoca.
sleep1
Dorme-se onde calha. Pelo que o Velopata apurou as paragens de autocarro são um must. Aqui o atleta pernoitou num dos postos de controlo da organização.
dormir1
Esplanadas de tascos também servem para descansar mente e pernas.
dormir2
Quando não existem paragens de autocarro ou tascos por perto, qualquer sítio perto da estrada é suficiente para dormir.
melissapritchard
A vencedora a solo feminina.
jameshayden
O vencedor a solo masculino.
donkey
O pensamento que com certeza assola todos os participantes em algum momento da sua demanda; “Mas que ideia de jerico a de me vir meter nisto!”

A edição deste ano conta com a participação de 2 tugas, tendo o Velopata tido o prazer de travar conhecimento internético com um deles, conseguindo manter o contacto com ele durante a sua longa provação.

Aquando do regresso dos moços à Tugalândia, o Velopata prepara já uma entrevista a ambos, para dar a conhecer à nação velopática, todos os altos e baixos que uma demanda desta natureza acarreta.

em antes que venham questionar o Velopata com um “Ó Velopata mas porque raios te queres tu meter nisso?”; a grande questão é;

Porque não?

mikehallrip

 

Abraços velocipédicos,

Velopata

Um comentário sobre “TCR

  1. Pingback: Uma polémica… Aero – Blog do Velopata

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s