Como ressaca um velopata

O Velopata está triste.

Não, o Velopata está muito triste.

Tem a alma desaustinada, sente-se de rastos, vazio e com o coração partido em mil pedaços de vidro capazes de furar o mais duro dos pneus. A noite passada, enquanto treinava nos rolos, olhou para a Estrela Vermelha caída em desgraça e imediatamente a força nas pernas se esgotou. Nem vontade de escrever tem. Está feito num caco.

A Estrela Vermelha, a sua mais que tudo, está internada na unidade de cuidados intensivos no hospital velocipédico que é a G-Ride Concept Bike Store. A pobrezinha necessita de cabos novos, fitas de guiador novas, lubrificação do eixo pedaleiro e dos cubos das rodas.

Sempre que a Estrela Vermelha adoece ou está longe o Velopata sofre. Dorme mal. Os pensamentos negativos assaltam-no durante a noite;

“E se algum drogado arromba a loja durante a noite e ao reconhecer a mui linda Estrela Vermelha a rouba e vai vender na internet por 2 tutas e meia? Ou pior, por 1 tuta e meia?”.

“E se algum distraído destrambelhado a atira ao chão enquanto ela está na sala de espera?”.

“E se ela pensa que a abandonei? Ou que a irei trocar por outra através de uma retoma?”.

“E se…” – a lista de pensamentos que assolam o Velopata é interminável.

De manhã o Velopata acordou bem antes do alarme tocar tal era o nível de ansiedade pois como combinado na véspera iria deixar a Estrela Vermelha no hospital mal este abrisse. Entregue ao cirurgião de serviço o Velopata foi forçado a deslocar-se a pé para o seu emprego sentindo-se tal qual o Bonga enquanto se afastava, ou seja, com uma lágrima no canto do olho. Para piorar, equanto esperava que o sinal verde para os peões acendesse passa um enlatado com a música dos Rainha;

I want to ride my bicycle, I want to ride my bike!“.

Seja quem for que está lá em cima, claramente tem algum atrito com o Velopata.

A meio da manhã, ainda aturdido e desorientado sem saber como estaria a decorrer a cirurgia o Velopata fez uma pausa no seu emprego para cigarro e café. Qual não é o espanto quando  o Velopata ouve na televisão do café uma voz gutural, entoando um lamento numa mistura de carochice e alcoolismo;

Broken bicycles, old busted chains, with busted handlebars, out in the rain”.

O tema é Broken Bicycles do lírico queimado que é o Tom Waits.

“A sério?! Seu bárbaro!” – pensou o Velopata enquanto olhava o céu com o olhar carregado de rancor.

O Velopata regressou ao emprego. Ainda nem o intervalo para o almoço chegou. Falta tanto para as dezoito horas, o momento em que poderá sair a correr para os braços da sua…eh…. Para os….eh…. Para o selim da sua Estrela Vermelha. Que deverá ser a única razão pela qual podem ver o Velopata a correr.

sometimes

Dezoito horas.

O Velopata bloqueia o pc do emprego e sai lançado em direção à G-Ride. Andou tão depressa que agora lhe doem as pernas.

Entrando pelo hospital dentro o Velopata pergunta ao cirurgião;

“Então como é que ela está?”

“Está estável. Agora tens de levá-la para o recobro.”

“Correu tudo bem?” – perguntou ainda duvidando do estado de saúde da Estrela Vermelha.

“Sim, troquei os cabos e as bichas, lubrifiquei o pedaleiro e os cubos das rodas, troquei as fitas do guiador. Deixa-me só dar uma voltinha lá fora para me certificar que ficou tudo ok.”

O cirurgião pegou na Estrela Vermelha e passeou pelo páteo em frente à G-Ride certificando-se que tudo estava a 100%. De sorriso estampado na face o Velopata viu a Estrela Vermelha voltar a deslizar sobre o chão, toda resplandecente.

Seguiram-se as formalidades do cumprimento das despesas hospitalares e o Velopata lá seguiu com a sua montada para casa de modo a colocá-la no recobro;

img_20161122_211003
A Estrela Vermelha no recobro juntamente com as restantes montadas do Velopata.

Agora que o coração do Velopata está mais descansado já pode admirar o trabalho do cirurgião. As fitas novas da marca que o Velopata tanto gosta, a Fizik, conferem um certo je ne sais quoi, no entanto, o cirurgião chamou a atenção do Velopata para o pneu traseiro que nem dois meses de uso tem e já apresenta algum sinal de desgaste. Tanto o Velopata como o cirurgião riram, é o que dá ter a mania que se é ultra ciclista. A Srª Velopata é que não achou tanta piada pois os pneus Vittoria Rubino Pro que o Velopata usa são bastante leves, principalmente na carteira.

img_20161122_211542
Fitas novas da Fizik. São melhores que as anteriores pois essas eram aero e estas são já o novo modelo que é full aero.

Passando o período de recobro a Estrela Vermelha ganhou um voucher que dá direito a um SPA VIP Sunset Lounge Gourmet a ser utilizado nos próximos dias, ou seja, o Velopata vai colocá-la na banheira e dar-lhe um banhinho bom que é algo que a Srª Velopata gosta sempre pois ganha uma lavagem da casa de banho gratuita.

E assim o Velopata pode voltar a dormir o soninho bom.

 

Abraços velocipédicos,

Velopata

2 comentários sobre “Como ressaca um velopata

  1. Pingback: Belga style – Blog do Velopata

  2. Pingback: Um mal nunca vem só – Blog do Velopata

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s